terça-feira, 17 de agosto de 2010

Sem querer, eu não consegui controlar as coisas ao meu redor.
E não me oferece nenhum café ou chá, só algo que me deixe fora de mim.
Então não me deixe preocupado, ou me estressar de mais.
Minha mente não quer voar, e é tão ruim pensar que estou longe de você querendo largar tudo por ter medo de tentar, querendo tudo e provando o nada sem poder ouvir os comentários que eu queira escutar.

Juro, eu sou o que você sempre quis procurar mesmo com os meus vícios de querer ser bem menos do que eu queira ser. Fingindo não olhar para mais além, fingir não ver o que eu não quero sentir, e querer está bem mais perto de você, pra poder me sentir bem, quando eu sinto que querer te ter é bem maior que só vontade de ser.
Mas odeio imaginar que eu tenho tanto pra fazer, mas nada que me faz querer mudar de ser assim.
Talvez não.
A vida não me tem me dado o ócio de displicente que me abraça com a tristeza de querer ser feliz, o destino conspira contra mim, que faz me jogar ao acaso, pra encontrar o que não consigo entender, só pra tirar de minhas mãos sentindo o beijo de outro adeus.
Me faz de idiota em sonhar com quem me iludi em ter uma felicidade. Quem me beija e orienta quem me abraça e me observa?
Talvez eu nunca queira mudar!
É tão chato voltar para casa depois de dias, continuando tudo o que sinto ser imperfeito, sentindo a minha cama vazia na beira de um precipício, eu fico bem na beira vendo as pessoas passar me fingindo ser forte e acostumado…
Sem poder te acompanhar, pois estou acostumado, e te ver passar, eu te convido toda vez:

- Suba aqui e vamos nos embriagar, fumar um cigarro, conversar. Falar de nossas novas vidas que é tão ruim quanto às outras, que é tão vazia quanto as nossas.